O Teatro da Cornucópia

Luis Miguel Cintra

O grupo Teatro da Cornucópia, criado em 1973 foi uma da companhias teatrais de referência no panorama da arte de representar, tanto em Lisboa como em todo o país.

De forma por muitos inesperada, em 2016 a Cornucópia fechou as portas.

Luis Miguel CintraApesar de ser um dos pilares do teatro nacional, este grupo de teatro acabou por encerrar por não ver satisfeitas as necessidades mais básicas de sustentabilidade defendidas por Luís Miguel Cintra.
Ao fim de 43 anos em atividade e de 126 criações, o grupo acabou por sucumbir às reduções de financiamento por parte do estado.
Ao longo dos seus últimos três anos de existência, foram efetuados cortes na programação e nos meios de produção, por forma a tentar equilibrar as contas mas, em dezembro de 2016, o fim foi anunciado, e nem o interesse mostrado pelo Presidente da República e pelo Ministro da Cultura conseguiram dar a volta à situação.

Esta companhia teatral pretendeu ao longo das quatro décadas da sua existência ter uma voz ativa e penetrante na realidade cultural portuguesa, centrando-se acima de tudo em obras contemporâneas.
Inicialmente a atuar na Rua da Palma, em 1975 a Cornucópia mudou-se para a Rua Tenente Raúl Cascais onde esteve até ao seu fecho.

Apesar de as reduções nas ajudas por parte do Estado às companhias teatrais ter afetado todas as outras, Luís Miguel Cintra defende que a Cornucópia em esppecífico, devido à sua estrutura já enraizada e bem estabelecida, teve mais dificuldades em adaptar-se do que outras companhias teatrais mais recentes.
Segundo o próprio, até seria possível continuar mas a qualidade decresceria e essa era uma concessão que não estavam dispostos a fazer.

A muito experiente Cornucópia, uma referência no panorama do teatro nacional, encerrou em dezembro de 2016 com um recital de Apollinaire e a edição de um livro com a sua história.